Buscar

Criadoras do teatro lambe-lambe se apresentarão em Canela


A técnica de manipulação de teatro de bonecos lambe-lambe será uma das atrações do Canela Alegria e da 4ª Mostra de Teatro Lambe Lambe, em Canela, nos próximos dias 15, 16 e 18 de fevereiro. As bonequeiras Ismine Lima e Denise dos Santos, precursoras do teatro de bonecos lambe-lambe no Brasil, estarão em Canela para participar do projeto Arte que nos toca - Bonecos na comunidade. As intervenções ocorrem para os assistidos do Centro Social Padre Franco nos dias 15 e 18, e para os alunos da Escola Bertholdo Oppitz, no bairro São Lucas. Ambas as ações terão focos nos assistidos e comunidades dos bairros.

Há 30 anos desmistificando acontecimentos

Em 2019, Cesar Cliquet esteve no Festival de Lambe-Lambe que celebrou os 30 anos deste estilo, em Santos (SP), quando teve a oportunidade de conhecer pessoalmente as titiriteiras. “São pessoas simples, acessíveis e sempre dispostas a compartilhar sua arte e experiências. Foi pensando nisso que decidimos trazê-las para ter este contato com a comunidade de Canela, uma cidade que tem em sua essência a arte bonequeira”, esclarece o proponente Cliquet.

O teatro lambe-lambe, ou teatro na caixa, proporciona às pessoas um interesse único. A pequena abertura da caixa guarda um segredo, e a curiosidade do espectador, segundo apontam as bonequeiras, faz com que exista esperança de novas propostas a partir daquele olhar. "Temos pela Denise e Ismine uma grande admiração. Elas criaram a técnica lambe-lambe, uma forma de teatro plural, elas são inspiração para bonequeiros e admiradores de teatro de bonecos de todo o mundo”, completa Daiene Cliquet.

Surgimento da técnica leva dois conceitos

Denise explica que a técnica da manipulação lambe-lambe surgiu por meio de dois conceitos. Um deles foi com a intenção de desmistificar o nascimento, com o espetáculo “A dança do parto”. “Era um período pós-ditadura, pensamos em, de maneira lúdica, explicar que o nascer é um ato de amor, parir é um ato de amor, e não que uma criança vem, simplesmente, de uma semente ou cegonha”, enfatiza Denise.

O segundo conceito foi o de homenagear os fotógrafos lambe-lambe, ou seja, a casa de espetáculos faz referência à câmera dos profissionais da época (uma caixa com um orifício onde era feito o retrato). “Até hoje é muito difícil fazer teatro de bonecos em lambe-lambe. É uma técnica que deve responder a uma necessidade, é preciso buscar algo visceral. Com isso, você usando a sua alma, atingirá as pessoas”, resume Ismine. Além disso, Denise complementa que o outro desafio é conseguir sintetizar um espetáculo de, em média, 60 minutos, para 3 minutos.

Sobre o projeto

O projeto Arte que nos Toca - Bonecos na comunidade foi contemplado pelo edital SEDAC nº 09/2020 da Lei Aldir Blanc nº 14.017/2020, da Secretaria da Cultura do Rio Grande do Sul, com o intuito de levar a arte e a ludicidade das diferentes técnicas do teatro de bonecos a comunidades sem acesso a essas atividades. Em Canela, outras ações propostas pelo grupo acontecerão no Caps, nos dias 3 e 10 de março.


4 visualizações